2.12.07

Repúdio ao despejo do MST em Limeira

Fiquei perplexo ao ver as imagens da violência empregada pela polícia militar junto com a tropa de choque contra os sem-terra na quinta-feira (29/11/07) em Limeira/SP. O despejo das cerca de 250 famílias foi requerido pela prefeitura de Limeira, que alega que a área é do município. Em nota, o Incra, diz que a área é "indiscutivelmente da União", mas o prefeito Silvio Félix (PDT) bate o pé e ainda diz que vai entrar com ação contra o instituto. O terreno em questão é chamado de Horto Florestal Tatu, mas não é uma área de preservação, pois a prefeitura usa parte desta como lixão e recentemente outra parte estava ocupado pelos sem-terra. A terra vai ser usada em projeto de reforma agrária, mas o poder público de Limeira não quer nem saber e já deu a demonstração de força com essa ação truculenta.
Nas imagens da televisão deu para perceber que os policiais estavam sem identificação, pois já forom pré-dispostos a usar a brutalidade contra as famílias que ali estavam. Foi uma operação de guerra, alguns que estavam presentes afirmam, pois helicópteros sobrevoaram o local e o tal "confronto" alardeado pela imprensa não existiu, pois não houve ataque e nem reação violenta por parte dos sem-terra. A polícia usou balas de borracha (embora alguns militantes afirmam ter encontrado projéteis de balas verdadeiras no local) e jogou bombas contra as famílias, incluindo aí mulheres e crianças. Coincidentemente foi ferido o dirigente nacional do movimento e outras pessoas também. Depois os policiais destruíram os barracos das famílias (quem não tirasse os pertences de dentro perdia tudo), lavouras e o local de reunião do movimento, o qual era uma igreja improvisada. Há relatos também que os policiais não deixaram equipes entrarem para socorrer os feridos e que crianças foram atingidas e algumas fugiram em direção a linha de trem até chegar a cidade. Na reportagem da TV mostrou o nervosismo e ódio dos policiais que eles mesmos chegavam a destruir os barracos e eram contidos pelos colegas. Em entrevista, o comandante da operação "justificou" a ação pois os sem-terra estavam "empunhando foices, enxadas e facões", mas que eu saiba isso é normalmente usado no meio rural, portanto não justifica. A polícia não pode atacar com base nisso e com isso ficou claro que se tratou de um ataque criminoso da polícia.
É assim que a polícia de São Paulo age contra pobres tanto da cidade (como os camelôs) quanto no campo. Para a imprensa a violência contra o MST é sempre justificada e mesmo nesse caso onde poderia ter um desfecho igual a eldorado dos Carajás, esta dá mais atenção e razão ao lado dos que têm o poder.◦
Share/Bookmark

6 comentários:

Anônimo disse...

Você, autor deste artigo, está convidado a passar uma semana nas vizinhanças do acampamento. Mostrarei quem são realmente os pobres que estão ali, se claro conseguirmos achá-los também lhe mostrarei como são ambientalmente corretos cortando e incendiando, matando animais silvestres das reservas das proximidades. Se você não aceitar o convite posso lhe enviar os filmes ou então as fotografias dos diversos furtos e quem sabe também as gravações dos discursos inflamados dos líderes incitando a violência! Infelizmente para a sua informação, o acampamento Elizabeth Teixeira é, sem dúvida, comprovado, reduto de bandoleros e esconderijo de marginais desde baixa até alta periculosidade. Um abraço!

João Humberto Venturini - Beto disse...

Caro anônimo: Mesmo assim, não justifica a ação truculenta e violenta da polícia. É fácil cair nesse discurso e generalizar todos ali por causa de meia-dúzia, mas não corresponde a realidade. Pior é a prefeitura usar o lugar como lixão. Esse seu discurso é o mesmo daqueles que acham que na favela, por terem pessoas ligadas ao crime, todos são "marginais" e por isso a ação policial violenta se "justifica". É um pensamento reacionário e classista.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Robert Nesta Marley disse...

Então porque não aceita o convite ? Eu também moro na região e é exatamente isso que acontece. Bando de vagabundo a polícia tem que botar pra correr mesmo. E esse discurso de que não pode generalizar é papo furado. Contra fatos não há argumentos.

Anônimo disse...

ISSO NÃO É NOVIDADE, EXISTEM CASOS PIORES!
DNOCS X FAMÍLIA
VEJA O VIDEO:
FAMÍLIA SERÁ DESPEJADA, MESMO QUE TODOS OS DOCUMENTOS DO PROCESSO SEJAM DE OUTRA CASA ( A QUE ELES MORAM) AINDA SEM REGISTRO, o segundo réus do processo é deficiente mental.

UMA MENSAGEM, UM APELO, UMA DURA REALIDADE!!!

http://www.youtube.com/watch?v=rA7CKhkZB6g

Anônimo disse...

ISSO NÃO É NOVIDADE, EXISTEM CASOS PIORES!
DNOCS X FAMÍLIA
VEJA O VIDEO:
FAMÍLIA SERÁ DESPEJADA, MESMO QUE TODOS OS DOCUMENTOS DO PROCESSO SEJAM DE OUTRA CASA ( A QUE ELES MORAM) AINDA SEM REGISTRO, o segundo réus do processo é deficiente mental.

UMA MENSAGEM, UM APELO, UMA DURA REALIDADE!!!

http://www.youtube.com/watch?v=rA7CKhkZB6g