24.10.07

Manifestantes do bem, segundo a rede Globo

Essa eu não poderia deixar passar. Acabei de ver no Jornal da Globo da noite a manipulação mais grotesca de uma reportagem. Era uma matéria sobre as manifestações de estudantes na Venezuela contra a reforma constitucional que o governo do presidente Hugo Chávez esta fazendo. Pela primeira vez eu vi o jornal ficar do lado dos estudantes que protestavam, pois sempre os jornais televisivos mostram os manifestantes como baderneiros sem causa e sempre eles que começam os confrontos jogando alguma coisa na polícia ou exército e esses por sua vez ("cumprindo o seu dever") reagem reprimindo violentamente os estudantes. Essa é sempre a tônica das coberturas jornalísticas em relação a manifestações anti-globalização, anti-Bush, de movimentos sociais e também de estudantes universitários . Agora é diferente, pois como o protesto era contra Hugo Chávez, agora sim os estudantes passaram a ser vítimas da repressão do estado. O "caras e bocas" William Waack deu o tom da reportagem (como sempre) enfatizando primeiramente que os estudantes venezuelanos foram reprimidos pela polícia de "Chávez" e manifestantes pró-Chávez e só depois eles reagiram e alguns foram presos . Se alguém lembrar das reportagens do jornal sobre a ocupação da reitoria da USP e os protestos contra o governo José Serra, percerberá que Waack e Jabor quase pedia em rede nacional para uma repressão da polícia contra os estudantes.
Para finalizar com chave de ouro, em seguida veio o idiota do Arnaldo Jabor fazer seus discursinhos que agradam seus chefes ressaltando que a Venezuela já é uma ditadura e disse ainda que Chávez tem uma política expansionista na América Latina capaz de entrar em confronto inclusive com o Brasil. Se qualquer político norte-americano tivesse visto essa verborragia de Jabor com certeza lhe daria um ossinho, pois se comportou como um típico colonizado subserviente latino-americano.
A Venezuela infelizmente está dividida há muito tempo, não porque Chávez quis isso (isso é o que a mídia brasileira tenta passar), mas começou com o golpe que a oposição e a mídia venezuelana tentou dar em 2002 com apoio dos EUA. A mídia da Venezuela foi ativa nesse acirramento entre quem votava em Chávez e quem não votava nele, pois de forma explícita e covarde chegou a convocar a população a protestar contra o governo, ou seja, virou um partido político. O Eduardo Guimarães do blog Cidadania e presidente da ONG dos sem-mídia testemunhou essa divisão da população quando ele foi pra Venezuela e viu uma briga num bar que começou com uma mulher que vestia uma camiseta do Chávez e a partir daí outros começaram a provocá-la e a xingá-la resultando numa agressão mútua.
As matérias da Globo sempre dão a entender que os conflitos na Venezuela partem primeiro da polícia "chavista" ou dos manifestantes "chavistas", o resto são todos vítimas.
A imprensa brasileira cumpre o papel de "papagaio" das idéias conservadoras de Bush e CIA e tenta fazer crer que Chávez é o diabo subversivo da América Latina tentando persuadir governos contra o "big boss" chefe do norte. Parece que estamos vivendo uma nova guerra fria, só que pra nós aqui o inimigo alardeado pelo consenso de Washington não é mais o comunismo, mas sim o "neo-populismo latino-americano". A paranóia anti-esquerda está de volta na pauta midiática e como a imprensa é monopolizada e não expõe a pluralidade de idéias, todos são obrigados a engolir as "verdades" que os Marinhos, Mesquitas, Civitas e Frias da vida querem.◦
Share/Bookmark

3 comentários:

Erich Vallim Vicente disse...

Betão, eu acho que se existe uma "guerra", nos moldes da Fria do passado, é preciso atentar-se, então, que existe retórica dos dois lados. Não dá para engolir, da mesma forma, que Chávez faz o que faz na Venezuela pensando em revolucionar. E de que a 'revolução Bolivarista', sobre a qual ele tanto prega e apregoa, não é máscara de ditadura. Aquele abraço.

Helena disse...

Adorei seu blog. Gostei mais ainda de saber que estamos na mesma cidade, já que existe tão poucos blogueiros por aqui

Anônimo disse...

Rapaz, numa boa, seu blog nao oferece nada de novo: 1) louva orientacoes politicas ja ha muito abandonadas nos melhores centros academicos; 2) promove a vitimizacao. Uma pena.

O respeito irrestrito a lei, e nao a louvacao de sua nao aplicacao, eh o que separa as pseudo-democracias daquelas onde vigora.

A leitura dos classicos pode contribuir para que seu blog tenha um conteudo mais moderno e talvez entao, consigas atrais mais e melhores leitores.

Abracos cordiais,
José