1.2.11

A hipocrisia dos defensores do golpe de estado em Honduras

Em 2009, um pequeno país da América Central chamado Honduras, sofreu um golpe de estado. Seu presidente, democraticamente eleito, Manuel Zelaya, foi deposto ilegalmente ainda de pijamas, onde foi seqüestrado pelo exército hondurenho e deportado para a Costa Rica. Inicialmente quase todos os países, inclusive os EUA, denunciaram e repudiaram o golpe, mas depois começou uma intensa discussão jurídica sobre o golpe e que levou depois até a ONU a voltar atrás. O Brasil teve atitude exemplar e correta em não aceitar o governo golpista e também não reconheceu as eleições ilegais que organizaram há pouco tempo. Aliás, aqui no Brasil, também houve uma discussão acalorada sobre o golpe de Honduras, onde a mídia (PIG) acabou de certa forma se alinhando, como sempre, à posição de Washington. Destaque para Arnaldo Jabor e Alexandre Garcia, ambos da Globo, que fizeram um papel ridículo de defensores do indefensável golpe militar hondurenho. Esses dois bateram na tecla de que o golpe foi “constitucional”, pois Zelaya teria ferido a constituição do país ao fazer uma consulta popular sobre a possibilidade de uma Assembléia Constituinte que entre outras propostas estaria a possibilidade de reeleição. Aliás, Zelaya foi muito mais democrático que FHC, o qual mudou a constituição a seu bel-prazer e sem respaldo popular, isso sim um golpe contra a democracia que ninguém fala. Assim como os golpistas hondurenhos, os dois “jornalistas” e grande parte do PIG disseram que Zelaya queria se perpetuar no poder e como este feriu a constituição ao fazer essa consulta popular, justificou o golpe. Pois bem, eis que surge uma revolução com os documentos liberados pelo site Wikileaks, o qual está sofrendo perseguição principalmente do governo dos EUA, que revela que o golpe de Honduras foi realmente um golpe. Nos documentos, o embaixador dos EUA em Tegucigalpa (capital de Honduras) na época classificou exatamente assim, como golpe de estado, o que ocorreu por lá. Os EUA decidiram estratégicamente não dizer isso em público e apoiaram os golpistas, pois não querem perder a base aérea militar de Palmerola. Mesmo assim, na época o golpista que ficou no lugar de Zelaya, Roberto Micheletti, disse em entrevista que o principal motivo do golpe foi o rompimento de Zelaya com parte da elite hondurenha e aproximação com Hugo Chàvez.
Outra coisa que faz com que tanto Jabor quanto Garcia, mas também todos que apoiaram o golpe hondurenho sejam hipócritas e ridículos é que diziam temer que Zelaya se perpetuando no poder iria fazer igual ao Chávez e restringir as liberdades e instalar um regime autoritário. Na época do golpe, o regime golpista de Honduras é que fez exatamente isso, onde reprimiu com violência e brutalidade as manifestações contra o golpe, inclusive houve muitas mortes na época, e fecharam TVs, rádios e jornais. Sobre isso, ninguém disse nada.
O regime golpista de Honduras realizou eleições há pouco tempo, as quais não foram reconhecidas pela maior parte dos países, e os atuais ocupantes do poder hondurenho acabaram de aprovar uma mudança na constituição do país que permite a reeleição do presidente do país. Vejam só, fizeram aquilo que usaram de artifício para dar o golpe e tirar o presidente Zelaya do poder. Isso foi muito pouco noticiado pela nossa imprensa (PIG), a qual agora finge que nada aconteceu. Cadê agora o Jabor e o Garcia pra condenar o “governo” atual de Honduras por infringir a lei? Isso que tem o agravante de ter sido aprovado sem nenhum respaldo da população, ou seja, um golpe semelhante, ao que já citei, que foi feito por FHC.
Portanto, esse episódio triste de golpe de estado em Honduras traz um alerta para todos os povos das nações que já sofreram durante décadas com ditaduras perpetradas por golpes apoiados pelo imperialismo estadunidense, o qual tentou também em 2002 na Venezuela. Para finalizar, todos aqueles na imprensa brasileira (PIG), a qual não tem mais credibilidade nenhuma, que apoiaram as ações golpistas em Honduras, deveriam se reconhecer golpistas ou pedir desculpas a opinião pública por terem mentido descaradamente, pois agora se calam diante daquilo que tanto “denunciaram”.

*Fontes consultadas e indicadas para leitura:
Rodrigo Vianna - http://bit.ly/gVnkuO
Novae - entrevista com Noam Chomsky - http://bit.ly/h2ck17

Share/Bookmark

2 comentários:

Israel disse...

Texto exato.

O discurso é um instrumento político e utilizado para legitimar uma posição ideológica. Os mantenedores da PIG sabem disso e por essa razão escolhem muito bem suas matérias. Geralmente os meios de comunicação omitem informações ou até mesmo inventam fatos que não existem para legitimar suas ideias: racistas, classistas, intolerantes, xenófobas entre outras que servem para excluir o povo do poder.

Aliás, nem saiu na mídia - no inicio do ano – que o filho do Xá Reza Pahlevi, fantoche dos EUA no Irã (1921-1979) cometeu suicídio.

Aproveito para indicar um site interessante: http://english.aljazeera.net/

Beto disse...

É isso ai Israel!! Valeu pelo comentário. E a Al Jazeera está dando um show na cobertura dos protestos no Egito.