29.5.12

Será que o Jornal de Piracicaba vai aliviar para Ferrato?

A imagem ao lado denota uma relação direta entre o poder político e o poder midiático que no caso regional parece ser mais próximo. Aqui em Piracicaba não é diferente e a foto em questão mostra isso. A prefeitura de Piracicaba, através da secretaria da educação, a qual tem como mandatário da pasta, Gabriel Ferrato (PSDB)que será provável candidato da legenda à prefeitura este ano, batizou uma nova escola municipal (EMEI) com o nome da ex-proprietária, já falecida, do Jornal de Piracicaba (JP), Antonietta Rosalina da Cunha. L. P. O JP ainda é o jornal de maior circulação na cidade e possui enorme influência na vida política e social. Não os acuso de serem totalmente "chapa-branca" em relação a prefeitura, pois vira e mexe publicam reportagens sobre reclamações no transporte público e na saúde da cidade, mas percebe-se que na hora de "puxar a sardinha" é sempre para o lado da prefeitura, principalmente do prefeito Barjas Negri. Há pouco tempo, denunciei aqui no blog e nas redes sociais, uma tentativa de censura do jornal em relação a uma carta minha com críticas a atual administração. Depois que caiu na internet, a carta, depois de mais de um mês, foi publicada. Infelizmente já ouvi reclamações de outros com a demora ou até mesmo a não publicação de comentários críticos a prefeitura em um dos únicos espaços que ainda há gente que sai do senso comum barjista que domina parte de Piracicaba. Já houve também, em 2008, notícias sobre um processo movido pela Advocacia Geral da União (AGU) contra Barjas e outras 10 pessoas acusadas de irregularidades quando o prefeito foi ministro da saúde, que o jornal simplesmente ignorou. Sobre isso eu escrevi aqui no blog também. Fora que na época do escândalo da máfia dos sanguessugas, onde a revista (IstoÉ) sumiu das bancas da cidade, o jornal também não achou que era de interesse público esse episódio. Aliás, o empresário Abel Pereira, já falecido, que estava supostamente envolvido nesse esquema, deu nome de avenida aqui na cidade. Isso é apenas um retrospecto de uma certa cumplicidade do jornal com o prefeito, o qual sempre foi apoiado pela ex-diretora do JP em editorial. Já o atual secretario de educação da cidade, Gabriel Ferrato, já trocou farpas com o jornal, onde o mesmo reclamou da forma como foi retratado em fotos e pelas perguntas incômodas feitas na época pelo jornal, o qual respondeu o tucano. Depois de colocar panos quentes nessa relação que ficou um pouco conturbada, agora que tudo indica que Ferrato tentará suceder Negri na prefeitura, uma escola leva o nome da antiga diretora do JP. A foto mostra Ferrato todo feliz agraciando os familiares da ex-diretora e o atual diretor do JP, mas parece que ficou um pouco desfocado no final. Será que agora ele irá reclamar da foto também? Será que o JP irá vai "aliviar" para Ferrato justamente agora na época de eleições? São perguntas, as quais espero respostas negativas, mas sempre é bom ficar de olho muito crítico nessa relação delicada entre políticos regionais e as mídias locais.

Share/Bookmark

2 comentários:

Vanessa Pupo disse...

Primeiramente, gostaria de agradecer a visita em meu blog, pois assim tive oportunidade conhecer o seu. É sempre bom conhecermos mais um que tem olhar critico sobre o modo de propagação dos fatos sociais. Mas, principalmente, que torna público para que mais pessoas possam cada vez mais juntar-se nesta luta. Eu também já tive várias "cartas" barradas pelo J.P. Hoje, as publico em outros impressos, blog e redes sociais. Parabéns pelo blog.

Beto - J.H. Venturini disse...

Obrigado por comentar aqui tb. E sempre q tiver cartas censuradas no JP me avise. Isso é contraditório p/ um jornal q estampa a frase de Voltaire q diz defender a liberdade de expressão.