19.11.08

Em Piracicaba, o Barjismo domina

Faz tempo que não escrevo aqui no blog e deixei a poeira das eleições municipais abaixar para fazer algum comentário. Aqui em Piracicaba o resultado já era esperado para prefeito, mas a eleição da Câmara dos Vereadores me deixou apreensivo com o futuro cenário político da cidade. Durante esse primeiro mandato a tropa barjista se fortaleceu e arrasou o que sobrou da "oposição" e se já estava ruim ficou pior. Nas propagandas do TSE na televisão dizia que a Câmara dos Vereadores de uma cidade têm como um dos objetivos fiscalizar as ações da prefeitura. Se nesse primeiro mandato, Barjas Negri aprovou o que quis, agora com uma Câmara quase 100% governista ( 15 governistas contra 1 de "oposição") não precisará de nenhum esforço para fazer o que bem entende. Alguns dos motivos que levou a Câmara a esse cenário foi o esfacelamento do PT da cidade como força política, pois nem José Machado que foi prefeito duas vezes não deu as caras por aqui. Outra foi a adesão da maioria dos partidos à campanha de Barjas que contaram com a máquina de propaganda, a qual dava a impressão que todos os candidatos a vereador estavam apoiando o prefeito. Barjas com sua alta popularidade parecia com o Lula em alguns lugares do Nordeste, onde todos os candidatos queriam aparecer na foto ao seu lado para poder angariar votos. É curioso atentar ao fato de que alguns aqui quando escrevem sobre os eleitores que elegeram e reelegeram Lula com ampla maioria, rasgam críticas de cunho até racista para explicar o fenômeno. Mesmo quando citada a alta popularidade do presidente a explicação é sempre a "ignorância" do povo e que esse é iludido com obras, que no caso federal é sempre eleitoreira, e com as bolsas. Aqui a alta popularidade de Barjas é atribuída ao pragmatismo, a inteligência, a determinação do prefeito e a maioria dos eleitores que deram mais um mandato à ele o fizeram porque todos são inteligentes e muito bem informados e que sentiram que todas as obras feitas na cidade eram necessárias.
A prefeitura se gaba de suas obras (que aqui não são eleitoreiras), mas segue um modelo de urbanização que está levando as cidades brasileiras ao colapso. Aqui, casas populares são construídas em lugares muito distantes, bairros públicos conseguem virar condomínios fechados, grandes empreendimentos de luxo são prontamente atendidos com obras de melhorias nos seus entornos e ainda garantem mais lucros conseguindo trocas de áreas institucionais por outros terrenos e construção de ponte. Melhoria da saúde, transporte público e saneamento básico podem sempre ficar para o ano que vem, pois todo mundo têm plano de saúde particular, carro e não dá a mínima para onde vai o lixo desde que não fique na porta da sua casa.
Outro dado ruim é o baixo índice de renovação dos vereadores, pois é um absurdo um candidato ficar se reelegendo durante anos e faz disso apenas uma carreira profissional. Há certos candidatos que ocupavam cargos administrativos na prefeitura que passaram 4 anos fazendo propaganda deles mesmos e conseguiram uma vaga para "fiscalizar" a administração municipal da qual fez parte.
O único trabalho que o prefeito terá de fazer agora é garantir as "trocas de favores" daqueles que o apoiaram e que foram eleitos. É a típica barganha da política brasileira, que embora alguns achem que aqui é diferente, mas não é. Caminhamos para um reinado tucano e direitista de mais oito anos pelo menos, onde a corrupção (outra coisa que muitos acham que não existe aqui) poderá intensificar-se e ficará oculta, pois com essa Câmara Barjista, ausência de oposição e a maior parte da imprensa chapa-branca nada chegará aos nossos olhos e ouvidos.
Obs: Esse artigo foi publicado no jornal A Tribuna de Piracicaba e está disponível também nesse endereço: http://www.tribunatp.com.br/modules/smartsection/item.php?itemid=329
Share/Bookmark

5 comentários:

Bruno Peron Loureiro disse...

Beto, claro que a redução do que conhecemos por “oposição” na Câmara de Vereadores é preocupante. E como oposição entendamos indivíduos e grupos que não só propõem saídas alternativas ao que a gestão executa senão também criticam os caminhos da política municipal construtivamente; assim reduzimos o estigma da “oposição” no momento em que o “povo” elogia tanto as conquistas deste quatriênio “barjista”. Creio que o atual prefeito da nossa cidade começou por uma estratégia que não tinha como dar errado: mexer no visual urbano, na malha viária, construção de pontes, semáforos de primeiro mundo quando a periferia vive na exclusão e na ignorância, ou naquilo que angaria votos nas próximas eleições. E neste ponto ele tem muita habilidade política. No entanto, claro que preferiria que o dinheiro das placas de “obras concluídas”, que vimos por toda a cidade, se convertisse em aumento de salário dos profissionais da saúde, ou que se discutissem mais propostas para o social, o que até agora vimos como um aspecto secundário da gestão. Até aí, prometeu-se-nos pensar mais na questão neste segundo mandato. A política moderna é parte daquilo que Maquiavel afirmou como objetivo do “príncipe” de conquistar e manter o poder a cualquer custo, o que justifica porque há vereadores que se perpetuam no cargo em Piracicaba por vários mandatos tomando a política como profissão. Acho, Beto, que seus artigos colaboram para a continuidade da “oposição” em Piracicaba, sempre que democrática e respeitosa, são frutíferos, alentam o debate, e terei o prazer de continuar lendo-os. Valorizo os espaços públicos de confrontação de opinião. E mais ainda quando se questionam os poderes hegemônicos, que em todos os lugares sempre tentam impor a opinião do que é “certo” e do que é “errado”, do “convencional” e do “patético”. Quem não votou em Barjas nesta ocasião sabe o que quer dizer a segunda opção dos parênteses.

renato rovai disse...

caro beto, espere ele te processar. se isso ocorrer conte com nossa força de rede pra denunciar a agressão à liberdade de expressão. me envie o artigo que ele deve usar neste processo e vamos começar desde já a alertar a respeito dessa possibilidade.
se for o caso, ligamos pra o tal assessor para tentar saber quais são os motivos do prefeito.
abraços
rrr

Anônimo disse...

Beto, também temos um pequeno jornal impresso (mensal) na região da Baixada Santista. Basta você nos mandar o teor da ação para que possamos colocá-la na página. Não há qualquer coisa no texto que possa servir de crime para alguém processá-lo. Mande-nos material para que possamos noticiar na página a tentativa de cercear um direito legítimo seu (e de qualquer outra pessoa) de expressão opinião sobre determinado assunto.
Esse "profissionalismo político" existe, sem dúvida, em todas as cidades brasileiras.
Conte com a gente.
jornalpercurso.percurso@bol.com.br

Humberto Capellari disse...

É esse o texto que você publicou no jornal? Vou copiar e publicar no meu blog.
Boa sorte.

Vinicius Duarte disse...

Ele vai te processar por causa DESTE POST???