12.8.08

Minha Tréplica ao artigo da Secretaria de Educação

Agora a minha tréplica foi publicada hoje (12/08/08) no jornal A Tribuna Piracicabana. Agradeço mais uma vez ao Érich pelo espaço no jornal. Confiram:
Tréplica do educador paulista
A política praticada do PSDB há 14 anos evidencia o descompromisso com a qualidadeA Secretaria da Educação do Estado de São Paulo respondeu o meu artigo publicado nesse jornal no dia 25 de julho de 2008. Aproveitando o embalo dos debates das eleições faço aqui a minha tréplica. O pessoal da secretaria vive em outro mundo e parece nunca ter pisado em uma sala de aula ao afirmar que não há precariedade nas escolas e baixos salários. Acho que qualquer professor do estado que leu isso deu risada.O que se constata em muitas escolas é a falta de laboratórios, pois os que têm estão praticamente sucateados; salas sem ventilador ou com os equipamentos quebrados; salas lotadas com 40 alunos ou mais; às vezes falta giz e apagador; muitos materiais e até xerox das provas é o professor quem paga, além de inúmeros outros problemas que qualquer pessoa que visite meia dúzia de escolas estaduais evidenciará. As escolas bem conservadas geralmente têm que fazer de tudo para arrecadar dinheiro com alunos, pais e comunidades, realizando rifas e festas, pois geralmente empregam esse dinheiro pra consertar banheiros ou pintar a própria escola. Isso a secretaria parece não enxergar e muito menos a secretária Maria Helena e o governador José Serra, que só pensa naquilo... as eleições de 2010. A violência não é só física, mas também é psicológica e moral e sintomas como depressão e estresse atingem 46% dos educadores. Baixos salários não existem? A secretaria quer iludir os leitores dizendo que o salário médio do professor é de “R$ 1.840, o sétimo melhor do país”. Mesmo se fosse esse salário não é suficiente e ser o sétimo melhor do país sendo o estado que mais arrecada imposto e mais rico, não é motivo de orgulho. É só observar os holerites de qualquer professor com carga completa e verá que atinge pouco mais que R$ 1.500, pois ainda têm os descontos. O suposto aumento foi de apenas 5,41%, porque incorporou gratificação de R$ 80 que já era paga, ou seja, vai mudar de lugar no contracheque. Isso ainda que a inflação desde o último reajuste foi de 13,6%. Com isso é que se valoriza o professor? Com um salário desses alguém consegue viver em uma cidade como São Paulo, por exemplo? Com esse salário será que dá para pagar transporte, alimentação e materiais como livros específicos de cada área? E quem tem família?A política salarial praticada pelo PSDB há 14 anos evidencia o descompromisso com a qualidade do ensino e o desrespeito com aqueles que estão no dia-a-dia tentando, como podem, educar milhões de pessoas que serão o futuro do estado e do país.Sobre o 1º lugar de 5ª a 8ª séries no Ideb (Indicador de Desenvolvimento da Educação Básica), o que a secretaria deixou de explicar é que as notas do Brasil todo aumentaram, mas mesmo assim as notas são baixas. Segundo esse indicador, o estado paulista está junto com o catarinense com nota de 4,3 e houve uma melhora de apenas 0,1 ponto nessas séries. Já no ensino médio, São Paulo é o 6º do ranking. Por que a secretaria não usou os seus próprios dados do Idesp (Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo)? Nesse índice aparece a real situação do estado, onde de 0 a 10 a média do ensino médio foi de 1,4. No ciclo de 1º a 4 ª séries, 55% não chegam a 3,23 e entre estabelecimentos de 5ª a 8ª, 50% estão abaixo de 2,54. Dados oficiais de 2007 ainda mostram que 71% dos alunos que concluem o ensino médio têm dificuldades até para lidar com conceitos elementares, como subtração. O governo estadual coloca esses dados como culpa dos professores, mas se esquece do seu papel fundamental que é dar condições decentes de trabalho e remuneração digna.Acho que as “três mil propostas” enviadas por professores não deram muito certo, isso ainda que a rede conte com mais de 200 mil docentes. As propostas curriculares foram muito criticadas e contém inúmeros erros. Por exemplo, no caso da Biologia, a genética não está na grade curricular do 3º ano do ensino médio e foi transferida para o 2º ano. Outro exemplo é a grade de Ciências do ensino fundamental que foi toda misturada, fazendo com que matérias de séries anteriores tenham que ser dadas novamente. Não só os docentes reclamaram, mas também alunos que acharam absurdo aprender o que já foi aprendido. O tempo para aplicar as atividades propostas no caderno do professor é insuficiente, além de essas atividades estarem fora da realidade escolar. Portanto, a secretaria deveria ouvir mais as críticas para tentar melhorar essas novas propostas e parar de tapar o sol com a peneira com relação aos salários.
Obs: Esse texto está no site do jornal: http://www.tribunatp.com.br/modules/smartsection/item.php?itemid=167
Share/Bookmark

3 comentários:

Erica disse...

Você ta ficando chique em Beto!!rs

Erica disse...

Ah..vi eu olhei uns comentários de um tal de Bruno..pelo amor de DEUS!!que cara tosco hein...viu, mais me responde..ele teve capacidade de entrar em um concurso público??pq ficou desdenhando...rs...ai só por deus essas pessoas ridículas!!!rs

Gleison disse...

Parabéns pelos seus textos. Compartilho de suas idéias. Visite meu blog:
www.escritorincipiente.blogspot.com
Abraços
Gleison