8.2.08

Barjismo

Faz algum tempo que estou para escrever sobre um "fenômeno" que acontece aqui em Piracicaba. Assim como parte da imprensa denominou como "Chavismo" o que acontece na Venezuela por parte dos que votam e acreditam piamente no presidente Hugo Chávez, uso o mesmo artifício para denominar o que acontece na minha cidade. Os eleitores de Chávez são chamados de "chavistas", aqui em Piracicaba há os "barjistas".
Como começou
O Barjismo começou quando Barjas Negri (PSDB) - ex-ministro da Saúde (governo FHC - 2002) e ex-presidente da CDHU (governo Alckmin - entre janeiro de 2003 e maio de 2004) - foi eleito prefeito de Piracicaba em 2004. As pesquisas eleitorais até três dias antes do primeiro turno ele aparecia em 3º lugar. Não sei como e porque uma pesquisa divulgada pelo principal jornal da cidade dois dias antes da votação foi publicada em primeira página a incrível alavancada do candidato ao segundo lugar nas pesquisas, inclusive com um desenho representando ele subindo e os outros dois candidatos descendo. Não questiono a veracidade da pesquisa, mas sim o porque de ter dado tanto destaque tão perto das eleições. Depois disso, houve um segundo turno onde tranquilamente ele se garantiu e ganhou as eleições. Teorias conspiratórias a parte continuemos.
A partir disso ele resolveu mostrar "trabalho" e com uma equipe muito esperta começaram a transformar a cidade em um canteiro de obras. Toda obra, por menor e insignificante que seja, que começa a ser realizada sempre há uma placa enorme anunciando como "obra social nº X". Tem até placa para construção de cancha de bocha. Uma ótima estratégia de marketing que ajudou a formar o Barjismo, pois há algum tempo a cidade não via tantas obras sendo executadas ao mesmo tempo.
Denúncias
Quando estourou o escândalo das sanguessugas o nome de Barjas foi citado várias vezes até em telejornais, mas por aqui teve repercussão discreta. A revista IstoÉ relatou a parceria do prefeito com o empresário Abel Pereira, onde este arrecadou dinheiro para campanha do tucano. Empresas ligadas ao empresário também levaram mais de 40% das obras realizadas na cidade até aquele momento e ele também tinha trâsito livre em Brasília quando Barjas Negri ainda era secretário-executivo de José Serra. Isso até outra denúncia na imprensa sobre o TCE (Tribunal de Contas do Estado) ter julgado irregular 102 contratos firmados na sua gestão e também outras 8 condenações por contratos ilegais firmados na prefeitura de Piracicaba, sendo uma delas com a construtora pertencente a família do empresário citado. Além disso, seu irmão, que já tinha sido exonerado da CDHU em 2001 por auditoria interna que apontou ele como participante de uma quadrilha que recomercializava unidades habitacionais construídas pelo Estado, foi reconduzido ao cargo por Barjas quando estava na presidência do órgão. Agora ele (o irmão) novamente foi afastado do cargo por denúncias do Ministério Público Estadual (MPE) que investiga um esquema milionário de corrupção na autarquia.
O Barjismo se estabelece
Voltando ao Barjismo, as obras foram ficando cada vez mais populares e ganhando grande aceitação principalmente da classe média piracicabana. As principais obras se concentraram nas de grande visibilidade sendo a maior parte no trânsito. Obras como a ponte do shopping, inúmeros semáforos (os quais praticamente pararam o trânsito), rotatórias reformuladas, abertura e reabertura de ruas foram as que mais ganharam destaque e também as placas que ajudaram a criar um clima de que constantemente a prefeitura esta fazendo algo. Como se vê a maioria das obras foram mais para garantir o conforto da população que possui carro. Já no transporte público muitas linhas de ônibus foram condensadas e fundidas em uma só e diminuiu muito os horários.
Diariamente em alguns veículos de imprensa da cidade há pessoas agradecendo o prefeito pelas obras e o enaltecendo de uma maneira que até sugeriram dar o nome dele a ponte do shopping, como se ele tivesse fazendo um favor e não uma obrigação. Alguns editoriais e articulistas enchem os jornais com elogios ao prefeito e minimizam tudo o que seja contra ele. As manifestações contrarias ao prefeito são poucas, mas pelo menos não são censuradas pela imprensa local. Ai entra o Barjismo.
Devido a tudo isso, as pessoas passaram a idolatrar Barjas Negri e todas as ações do seu governo. Sua imagem passou a ser de homem "trabalhador", "honesto" que acorda as 06 da manhã para fiscalizar obras e essas denúncias cairam no esquecimento.
Barjistas
Isso tudo deu origem aos barjistas, que ao verem o menor sinal de discordância e questionamento de qualquer pessoa contra o prefeito e suas ações, partem para a desqualificação moral e agressão verbal. Digo isso por experiência própria. As poucas vozes discordantes, como já citei, que se manifestam publicamente contra o consenso do barjismo é rebatido tanto pelos barjistas quanto pelos assessores e secretários da prefeitura.
Frases típicas dos barjistas: "você fala isso porque é petista", "o cara é o melhor prefeito que a cidade teve", "deixa o prefeito em paz e seguir seu trabalho" e outras pérolas. Se você insiste e começa a questionar muito e apresentar as denúncias contra ele, os barjistas começam a ficar sem argumentos e nervosos e é perigoso até partirem para agressão física. Quando questiona-se se há corrupção nessas centenas de obras (o que geralmente têm), os barjistas dão de ombro e assumem um tom meio malufista, pois dizem que o que interessa é que ele fez, ou seja, "rouba, mas faz".
A popularidade do prefeito é muito alta e o barjismo esta cada vez mais forte com a aproximação das eleições municipais. Barjas Negri será reeleito com ampla maioria e eu disse para alguns quando houve a falsa polêmica lançada pela mídia sobre o suposto terceiro mandato de Lula, que com toda essa euforia e adoração ao prefeito, parece que se ele tentasse um terceiro mandato depois, com certeza, iriam apoiá-lo.◦
Share/Bookmark

3 comentários:

Erich Vallim Vicente disse...

Betão, eu já mandei um e-mail, não sei se você recebeu. Por isso, refaço o convite por aqui. Não está afim de publicar este artigo? Achei interessante. Embora acho que os temas contra o Barjas Negri foram repercutidos, sim, na cidade. Inclusive, o mais recente, envolvendo o presidente da Emdhap também. Enfim, o que acontece é que a repercussão desses temas que, inclusive permeou o debate à Presidência, não tem atingido o prefeito. Mérito? Conspiração? Sei lá. Por enquanto, o que sei é isso. Aquele abraço!

Erich Vallim Vicente disse...

Betão, beleza? Em relação ao texto do Barjismo. Vou fazer um artigo sobre isso, citando seu artigo e seu blog em A Tribuna. Alguma objeção? Qualquer coisa, entre em contato comigo. Abração!

Marcos do A Manfrinato disse...

Tem razão Beto quando cita o quanto se tornam perigosos os Barjistas. Verdadeiro policiamento ideológico do "pelotão" que desclassifica pessoas que cultivam a justiça e democracia desde antes do advento do PSDB. Na maioria das vezes sugere franco racismo.