6.5.08

Concurso Público da Esalq: Coincidências ou Carta Marcada?

Recentemente prestei um concurso para uma vaga para Técnico de Laboratório aqui no Departamento de Ciências Biológicas da Esalq -USP em Piracicaba. Quando há uma vaga apenas, todos desconfiam e dizem ser a tal "carta marcada". Como sou teimoso, pensei que se fosse assim não prestaria nenhum concurso público. Então resolvi me inscrever e pagar 22 reais para fazer a seleção e estudar ao máximo para conseguir a vaga. A primeira prova era de múltipla escolha com 20 perguntas, que estavam bem fáceis, e no dia da prova o anfiteatro da universidade ficou cheio. Essa prova ja era eliminatória, então consegui passar para a segunda prova decisiva que seria uma prova prática. Fiz a prova e fiquei curioso depois que uma moça que fez prova comigo disse que a vaga era de uma pessoa que já estava lá dentro e fazia pós-doutorado no departamento. Com apenas uma pesquisa na internet com alguns nomes que passaram para fazer a prova prática, eis que percebi uma "incrível coincidência": Essa pessoa realmente existia e faz pós-doutorado no Departamento de Ciências Biológicas, o qual era a vaga.

Descobri isso pelo currículo disponibilizado na internet e que está nesse endereço:

http://bit.ly/rgapfY

Veja que o currículo é invejável e mostra que essa pessoa além de fazer pós-doutorado nesse departamento, fez mestrado e doutorado também lá. É muita coincidência!!
E não fica só por isso, pois a área de pesquisa dela é sistemática e taxonomia e experiência em coleta de diversas espécies vegetais. Incrivelmente a prova prática exigia saber:
- Coleta e preparação de espécimes para aulas práticas e para o herbário.
- Reconhecimento de estruturas morfológicas das plantas
Na prova foi fornecido algumas plantas já secas e era para fazer o procedimento de elaboração de um herbário. Quem fizesse o melhor, acertando os melhores lugares para prender a planta e não deixar desgrudar as fitas colantes, não errar os nomes e onde deveriam ser colocados ganharia mais pontos. Com um currículo desses e com tanta experiência nessa mesma área, acho que essa pessoa não iria mal nessa prova prática. Percebi que as folhas onde tinhamos que colar as plantas tinha as siglas "ESA". Coincidentemente no último item do currículo - "Outras informações relevantes" (bem relevantes nesse caso!) - aparece:

"Sub-curadoria do herbário ESA: 2006-2007 "

As plantas usadas eram desse herbário, o qual para essa pessoa dever ser bem familiar, apesar de serem milhares de espécies. Mas, será que na elaboração dessa prova, os organizadores que eram do laboratório esconderam dela e não a deixaram entrar no local da prova, sendo que ela trabalha lá? Acho que para preservar a ética e ser justo com todos os que fizeram a prova, eles realmente fizeram isso.

Com tanta coincidência, esperei para ver o resultado final e ver quem que iria começar o 1º semestre do ano ganhando 1.500 reais do governo com todos os benefícios do funcionalismo público. O resultado está nesse endereço do site da universidade:

http://www.esalq.usp.br/acom/newsd.php?id=785

Mais uma vez, com muita "coincidência", "sorte" e principalmete super "esforço" a pessoa que tirou a maior nota foi essa que eu acabei de citar e que trabalha no mesmo departamento da vaga. Acho que para não dar muito na cara, note que a nota dela não foi 10, mas 9,33. O que será que ela errou, com todo essa bagagem teórica e prática? Quem corrigiu as provas? No currículo dela diz que o pós-doutorado foi iniciado em 2006 e que tem bolsa Fapesp. Conforme informa o site da Fapesp o valor da bolsa pós-doc é de R$ 4.508,10 e tem duração, geralmente, de dois anos. Como o projeto começou em 2006, então agora em 2008 no máximo acaba o vínculo com a Fundação. Surpreendentemente agora em 2008 abriu apenas uma vaga para o mesmo departamento que essa pessoa fez tudo isso e que agora ganha um presentinho efetivando-se como técnico de laboratório.

É MUITA SORTE E COINCIDÊNCIA!

Eu e todos os outros que acreditaram, estudaram e pagaram perdemos tempo, dinheiro e fomos feitos de palhaços. Acho que nós deveríamos ganhar no ato da inscrição um nariz vermelho para usar no dia das provas. Isso dá um sentimento de impotência, raiva e desesperança para acreditar que um dia as coisas aqui vão ser mais justas.
Esse caso infelizmente parece não ser único em concursos da Universidade, pois já ouvi muitas pessoas reclamarem de outros que já foram realizados na mesma.
Tudo isso não fere a credibilidade da instituição Esalq, a qual é referência nas áreas de ensino e pesquisa. Apenas revela que algumas pessoas que fazem parte dela usufruem de uma instituição pública de respeito como se fosse um negócio particular.

OBS: Não há interesse aqui de denegrir e ferir a imagem e a pessoa a qual está relacionada com esse caso, pois o blog é apenas uma manifestação democrática de opiniões de minha autoria.

Share/Bookmark

22 comentários:

Giu disse...

Que bom que agora está convencido!! Gostei do seu texto!

Keka disse...

Não tenho nem o que acrescentar Beto...o texto está perfeito, adorei, mesmo porque eu fui uma das palhaças que prestaram esse concurso, como tantos colegas nossos tb, como vc mesmo mencionou...infelizmente comprovamos o que já disconfiávamos!

Ângela disse...

Oi Beto! Gostaria de parabenizar pelo Blog, é muito legal!!

Só pra compartilhar uma desses histórias, uma vez prestei um concurso aqui pra Taboão da Serra, adivinha o gabarito da prova específica?? Tudo A. Acredite, não é piada!! Alguém deve ter chego na repartição e avisado "olha gente, domingão tudo A hein??" :0(((

E esse deve ter custado uns 80 reais, quando eu ainda estava desempregada por aqui... Fiquei num bode danado depois disso!!

Bem, boa sorte nos próximos concursos, espero que vc não tope mais nenhuma baixaria dessas pela frente!!

Bjos!!

Bruno disse...

Que bosta de blog... Só fala merda... Deve ser de algum pseudo comunista que esta procurando se encaixar na mamata do funcionalismo público e fica reclamando que a culpa são das instituições, nao de sua capacidade escrotal por nao passar nos mesmos...

Beto disse...

Deixarei o depoimento desse "bruno" como exemplo da insanidade do autor. Lamento os termos de baixo calão.

Bruno disse...

Beto, eu simplesmente respondi a altura do seu comentário em meu blog. Voce que começou ao me atacar. Tipica coisa de esquerdista, que começa o ataque e diz ser vítima. Vai cuidar da tua vida, acho que voce realmente não aceita a liberdade de expressão, não é mesmo? Vai estudar pro concurso... Outra coisa, se eu sou cachorrinho do Reinaldo Azevedo, vc é de que então? Do Luiz Nassif ou do Mino Carta?

Riba disse...

Olha, se não fosse a observação feita no final do texto, até diria que o conteúdo tem um cunho interessante. Mas primeiro faz todo um relato investigativo, e depois na observação parece querer se eximir de qualquer retaliação que possa aparecer. Típico trauma comunista! Aí fica parecendo um sensacionalismo barato... dá o tapa pedindo desculpa.

Beto disse...

Mais um direitóide!!! Hilário!!! Seja bem-vindo e tenha cuidado com os comunistas que eles estão dominando o mundo hein??

Erich Vallim Vicente disse...

Betão, li o seu artigo, e ainda estou em dívida com você. Não consegui fazer a pesquisa prometida; mas não perco as esperanças. Me parece que a Esalq é, sem dúvida, bem manchada com essas evidências, que não são poucas. É isso aí, um abraço!

Bruno disse...

Cara, só quero que vc entenda que nao sou direitista, apenas estudei Economia e tenho um pouco de amor pela minha pátria. Partido da Imprensa Golpista? Se liga cara... Vai continuando com seus ideias marxistas então que eu continuo com a defesa do livre mercado, daqui uns anos a gente conversa, caso vc ainda tiver um computador quando o Brasil virar socialista de fato.
Abs e boa sorte no concurso.

Sérgio Silva disse...

Tenho a impressão que essa "coisa" tá acontecendo de novo, basta olhar os avisos atuais do campus.

Imagine um concurso "ajeitado", só que um doido que não faz parte do esquema, de repente acerta mais do que o esperado, a ponto de precisarem de manobras diversas pra conseguir passar o resto na frente. Ou serão apenas coincidências?

Aliás, nao entendi ainda como entram com recurso pra mudar alternativas se não se pode sair com o caderno de questões? E outra, quanto anonimato existe em se trocar nomes por números na prova, se de antemão se sabe qual nome fica com qual número?

Anônimo disse...

parabéns pelo levantamento. cabe um denuncia no MP. abraços(paulo corrêa)

Erich Vallim Vicente disse...

Betão, em relação ao que você escreveu no meu blog, acho que você tem razão quando diz que existe uma tentativa de criar falácias para justificar ações ditatorias. O que quero dizer é que tem o joio e o trigo. Existem, sim, pessoas que lutaram na Ditadura Militar, foram mortos inclusive, e que clamavam por Democracia, disso não há dúvida. Mas essa luta contra a ditadura não era, na minha visão, tão homogênea. Não quero, com isso, justificar atrocidades, longe de mim. E em relação aos arquivos da Ditadura, não está na mão do atual governo em abrir; não foi o Lula que decidiu não abrir? Então, não são apenas os militares que estão interessados em não abrir os arquivos. Mas, enfim, continuemos.

Um abraço!

Anônimo disse...

tudo isto e por que dizem que não é cara marcada, somente esforço e dedicação , pois tenho passado pelo mesmo contrangimento atualmente ou é medo deles com relação a minha pessoa ou realmente a esta fraude ....

Gleison disse...

Pois é Beto, eu também já passei pela mesma situação em um concurso na Esalq, ao conferir o gabarito vi que fiz uma pontuação alta na prova objetiva, porém havia ainda uma "questão dissertativa", que na verdade era a elaboração de uma carta, a qual acredito que também tenha realizado satisfatoriamente, e a "prova prática", ou seja, uma entrevista com uma banca de funcionários. Estava otimista com relação ao resultado, mas a minha classificação foi o terceiro lugar. Em primeiro, ficou uma conhecida minha, ex-aluna da Esalq, que inclusive teve nota menor que a minha na prova objetiva. Era apenas uma vaga imediata, e posteriormente fora chamado também o segundo colocado. E eu fiquei esperando até findar o prazo de validade do concurso, quando foi imediatamente aberto outro...

Gleison disse...

Isso me lembra uma piadinha sobre um concurso que houve em uma cidadezinha do interior. Concurso de cartas marcadas, a prova final era um "exame oral", onde os candidatos eram eliminados para dar chance aos, digamos, "amigos do prefeito". Um dos candidatos, ao ser entrevistado, teve que responder a seguinte questão:
- Você está andando por uma rodovia a noite, e vê dois faróis vindo em sua direção. O que é?
- Um carro - responde o candidato.
- Sim - diz o entrevistador - mas você não soube explicar se era um Ford, um Volkswagen, um Chevrolet... segunda pergunta: você está andando pela mesma rodovia, e vê um farol vindo em sua direção, o que é?
- Uma motocicleta!
- Sim, mas você não soube explicar se era uma Honda, uma Yamaha, uma Dafra...
E o candidato, vendo que já não tem chance, diz:
- Bom, já vi que não vou ser aprovado, então posso lhe fazer uma pergunta?
- Sim, fique à vontada!
- Você está andando em uma avenida à meia noite, vê uma mulher com uma saia minúscula, com uma blusa com um decote que deixa os seios quase completamente de fora, toda maquiada, fumando e rodando uma bolsa, o que é?
- Ora, é fácil, é uma prostituta!
- Sim, mas você não soube explicar se é sua mãe, sua irmã, sua esposa...

Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência...

Anônimo disse...

Os concursos da ESALQ sempre foram, notoriamente, um "jogo de cartas marcadas". Sempre há, antes das provas, comentários de que haverá favorecimento a uma determinada pessoa. E o pior é que sempre isso é confirmado!
Cadê a justiça? Ninguém nunca encaminhou nenhuma denúncia ao Ministério Público? A USP é uma universidade PÚBLICA, e não está acima da lei, principalmente quando falamos da Constituição Federal, a lei máxima do país!

Anônimo disse...

Interessantes os comentários "inteligentíssimos" dos anti-comunistas. Só faltou o argumento de que os comunistas "comem criancinhas", hahaha!

Anônimo disse...

Fui aluno da Esalq e conheço de perto todos os participantes dessa história.
O caso é bem mais cheio de "coincidências" do que aparenta - o primeiro lugar do concurso desistiu da vaga, e quem assumiu foi o segundo lugar - que coincidentemente, também é aluno do curador do herbário. Coincidentemente, desde a posse do novo funcionário, é impossível encontrar o curador do herbário no departamento, que atualmente dedica seu tempo à prestação de consultorias e atividades mais rentáveis do que a pesquisa e o ensino (ilicitamente, já que, com poucas exceções, os contratos de trabalho da USP são de dedicação integral e exclusiva). Obviamente, é muito mais seguro colocar um aluno de confiança seu, que carregue o laboratório sem precisar de instruções do chefe, do que um desconhecido que inclusive vai achar estranho o chefe nunca aparecer para trabalhar. Ideologias à parte, no mínimo, vale uma denúncia à Comissão de Ética da USP.

Anônimo disse...

Conheço muita gente da casa para a casa, ou seja carta marcada...até ir ao motel...isso é Brasil do jeitinho brasileiro...

Anônimo disse...

Fazer Pós doutorado para ganhar 1500 pratas, isso é baixa estima de esse individuo intelectual. De aqui a pouco vai receber Bolsa Família. Eu trabalho de diarista e ganho o dobro de 1500 pratas..

Douglas Carneiro disse...

Ei anônimo. Pós- doc é 4R$4000.